Jards Nobre - Pássaros Sem Canção

O universitário Renato viaja, mais uma vez, para passar as férias na fazenda com seus pais, em pleno sertão nordestino dos anos 80. Desta vez, porém, a vida lhe reserva uma surpresa: Adriano, o ingênuo e semianalfabeto filho do caseiro. Envolvidos por um sentimento que se torna maior do que eles, os dois terão de enfrentar a rígida sociedade conservadora de seu tempo para ser felizes juntos. O que começa como uma brincadeira inocente pode levar a uma tragédia que devastará a vida de duas famílias.

"Pássaros sem canção" é um romance que explora bem os recursos da prosa contemporânea (não linearidade narrativa, linguagem fluida, fluxo de consciência, introspecção psicológica, final com quebra de expectativa), mas seguindo a tradição da prosa brasileira do fim do século XIX ao abordar os temas mais recorrentes no Realismo/Naturalismo (preconceitos, violência, loucura, descoberta do sexo, aborto etc.), além de servir como um retrato fiel da sociedade rural cearense do século XX, registrando tradições, crenças e expressões populares. A composição das personagens e a exploração do amor como um sentimento arrebatador e da natureza em sintonia com as emoções humanas dão ao livro também um toque do Romantismo. É um livro apaixonado, intenso, surpreendente e explícito, por vezes, poético.



Leia mais: https://www.livrariadragoeditorial.com/products/passaros-sem-cancao-jards-nobre/

O universitário Renato viaja, mais uma vez, para passar as férias na fazenda com seus pais, em pleno sertão nordestino dos anos 80. Desta vez, porém, a vida lhe reserva uma surpresa: Adriano, o ingênuo e semianalfabeto filho do caseiro. Envolvidos por um sentimento que se torna maior do que eles, os dois terão de enfrentar a rígida sociedade conservadora de seu tempo para ser felizes juntos. O que começa como uma brincadeira inocente pode levar a uma tragédia que devastará a vida de duas famílias.

"Pássaros sem canção" é um romance que explora bem os recursos da prosa contemporânea (não linearidade narrativa, linguagem fluida, fluxo de consciência, introspecção psicológica, final com quebra de expectativa), mas seguindo a tradição da prosa brasileira do fim do século XIX ao abordar os temas mais recorrentes no Realismo/Naturalismo (preconceitos, violência, loucura, descoberta do sexo, aborto etc.), além de servir como um retrato fiel da sociedade rural cearense do século XX, registrando tradições, crenças e expressões populares. A composição das personagens e a exploração do amor como um sentimento arrebatador e da natureza em sintonia com as emoções humanas dão ao livro também um toque do Romantismo. É um livro apaixonado, intenso, surpreendente e explícito, por vezes, poético.



Leia mais: https://www.livrariadragoeditorial.com/products/passaros-sem-cancao-jards-nobre/

O universitário Renato viaja, mais uma vez, para passar as férias na fazenda com seus pais, em pleno sertão nordestino dos anos 80. Desta vez, porém, a vida lhe reserva uma surpresa: Adriano, o ingênuo e semianalfabeto filho do caseiro. Envolvidos por um sentimento que se torna maior do que eles, os dois terão de enfrentar a rígida sociedade conservadora de seu tempo para ser felizes juntos. O que começa como uma brincadeira inocente pode levar a uma tragédia que devastará a vida de duas famílias.

"Pássaros sem canção" é um romance que explora bem os recursos da prosa contemporânea (não linearidade narrativa, linguagem fluida, fluxo de consciência, introspecção psicológica, final com quebra de expectativa), mas seguindo a tradição da prosa brasileira do fim do século XIX ao abordar os temas mais recorrentes no Realismo/Naturalismo (preconceitos, violência, loucura, descoberta do sexo, aborto etc.), além de servir como um retrato fiel da sociedade rural cearense do século XX, registrando tradições, crenças e expressões populares. A composição das personagens e a exploração do amor como um sentimento arrebatador e da natureza em sintonia com as emoções humanas dão ao livro também um toque do Romantismo. É um livro apaixonado, intenso, surpreendente e explícito, por vezes, poético.